10 dicas para decidir se é a hora certa para trocar seu ERP

Fonte: Shutterstock

Toda empresa já conhece a importância de ter um ERP (Sistema Integrado de Gestão Empresarial) que integre os departamentos e forneça informações gerenciais para as melhores tomadas de decisão. Mas como ter certeza se o ERP que você está usando ainda é a melhor opção para a companhia?

Leia a seguir dez dicas para ajudá-lo a decidir se é a hora certa para trocar seu ERP.

01 – Mais importante que uma nova tecnologia de ERP é avaliar se as necessidades da empresa são atendidas pelo atual fornecedor do software. Crescimento da organização, mudanças legais ou alterações de processos internos são situações que exigem a alteração do sistema. Se o atual ERP consegue atender essas mudanças com eficiência, não há necessidade da troca.

02 – É importante ressaltar que a solução ERP não tem “data de validade”. Mas é preciso analisar se o fornecedor do software realiza as atualizações tecnológicas, nos bancos de dados e nos aplicativos. As novas tecnologias trazem maior agilidade na utilização de determinados processos e melhoram alguns procedimentos. Portanto, se o fornecedor não atualiza o ERP pode haver a necessidade de trocá-lo.

03 – Observar se o uso de planilhas eletrônicas está demasiado ou concorre com o ERP atualmente usado também é importante. Afinal, se é preciso um “sistema” paralelo, isso demonstra que a solução não está atendendo as necessidades, ou seja, está obsoleto. Se há dúvidas que a sua solução de ERP está ajudando a sua empresa a vencer seus desafios, talvez esteja na hora de pensar na troca do seu ERP.

04 – Questione-se: por quanto tempo eu posso arcar com as despesas de não substituir meu ERP? Eu posso arcar com a substituição do meu ERP? Ponha no papel os custos com a substituição do sistema e os custos com as perdas e os ajustes no sistema antigo.

05 – Há quanto você usa esse ERP? Ele vem apresentando problemas? Se você teme que a empresa que presta suporte possa ter dificuldades no futuro, então está na hora de mudar.

06 – Outro fator que justifica a troca do ERP decorre da estratégia de crescimento que você traçou para o seu negócio. Por exemplo, você elaborou um plano para aumentar as vendas, mas para isso, precisa que o seu ERP seja configurado e adaptado para essa realidade. Para poder realizar novas operações, sistemas antigos precisam ser customizados. Isso pode gerar muitas falhas e distorções de informação.

07 – Se seu sistema não permite colaboração e compartilhamento de informações, é provável que a cadeia apresente alguns desencontros, o que afeta diretamente na satisfação do cliente. De forma geral, os clientes esperam produtos e serviços feitos sob medida para suas necessidades específicas.

08 – Um grande problema é a falta de comunicação dos sistemas entre si, o que exige intervenção manual para integrar informações. Dado a complexidade das operações, essa ação é arriscada se não for feita por pessoas que realmente entendam o sistema em questão. O prejuízo pode ser processos desencontrados e informações não confiáveis.

09 – Os ERPs precisam ser flexíveis para se adaptarem a novas legislações. Como o país passa por um período de constantes revisões nas regulamentações, modelos mais antigos podem não conseguir se adequar às novas exigências legais.

10 – Por último, uma dica que sempre fazemos questão de lembrar é que ferramentas de TI e sistemas de gestão em geral, por si só, não resolvem todos os problemas. Eles devem, necessariamente, ser acompanhados de uma mudança cultural e da adoção das melhores práticas do mercado, bem como da busca pelo conhecimento básico dos conceitos que são inerentes ao negócio de cada empresa.

Conteúdo de autoria e responsabilidade da Jiva Gestão Empresarial.

jQuery(function($){ $('.navegacaoMobile .box.visita').remove(); });

Gire seu smartphone para visualizar o site