O segredo para um negócio mais rentável e sustentável

*Por Fábio Túlio CEO da Jiva Gestão Empresarial

Muitas empresas têm dificuldade em se rentabilizar e se manter sustentável, acompanhando as mudanças contínuas do mercado. Esses fatores dependem diretamente da eficiência da gestão da empresa, que, por sua vez, está atrelada à maturidade com que essa empresa executa os seus processos e tarefas operacionais, de controle, de gerência ou de planejamento.

Mas, você já se questionou sobre em que nível se encontra a maturidade da gestão da sua empresa? Qual fator identifica esse nível de forma mais clara, mais tangível? Qual a causa raiz que refletirá na maturidade da gestão da sua empresa?

Seria pelo imóvel onde a empresa se encontra, seja ele próprio ou de terceiro? Pelos seus ativos tangíveis, como móveis e computadores? Não, certamente não. Ou talvez pelos sistemas (ou software) que ela usa? Não, o software (incluindo sua utilização adequada) é uma consequência, não a causa. Seriam os processos? Bem, a organização e a clareza dos processos são também frutos da maturidade e não a causa raiz. Mas então, o que representa a maturidade da gestão da empresa, ou o que implica nela diretamente?

A somatória da maturidade da gestão das pessoas-chaves de cada empresa é o que identifica o grau de maturidade da gestão da organização. São as pessoas que fazem a diferença em cada negócio. As pessoas precisam conhecer bem os processos e os sistemas da empresa, para que possam executá-los adequadamente e também aperfeiçoá-los.

Por outro lado, mesmo que uma empresa tenha processos bem definidos e bons sistemas, se as pessoas não os conhecerem, não saberão colocá-los em prática.

Se são as pessoas que fazem a diferença e se isso está claro, cabe uma reflexão: quanto tempo em capacitação e treinamento tem sido gasto dentro da sua empresa? Qual o investimento focado em domínio de novas competências? Faça uma análise disso na última semana, no último mês, no último semestre, no último ano. A gestão das empresas está em constante mudança e desenvolvimento, então aquelas que estão se movimentando pouco ou muito lentamente, estão ficando para trás em relação às outras.

O que não falta nos tempos de hoje são novos conhecimentos e mudanças. Mudanças nos mais variados níveis e aspectos. O que era uma melhor prática um tempo atrás, já pode estar obsoleto e superado por outra prática atual, mais simples, fácil e eficiente. Se um líder não foca no desenvolvimento, sua equipe não será inspirada para isso. Pense nisso!

Os melhores líderes agem capacitando, delegando e empoderando – sim, no gerúndio, por ser um processo contínuo de capacitação, delegação e treinamento. Aprofundar e detalhar sobre estes três fatores será tema para um próximo artigo.

Gire seu smartphone para visualizar o site